1

Conferência “A CIÊNCIA E A VISÃO” com o conceituado oftalmologista António Travassos

No âmbito da celebração do mês da Ciência e Tecnologia, na Biblioteca Alves Mateus, o Município de Santa Comba Dão convidou o conceituado médico oftalmologista António Travassos, para a conferência “A CIÊNCIA E A VISÃO, que teve lugar a dia 23 de novembro, na Casa da Cultura.
A iniciativa foi aberta pelo vice-presidente, Joaquim Agostinho Marques, que agradeceu a vinda do ilustre e reconhecido cirurgião, que opera pessoas em todo o mundo, e é pioneiro mundial no uso de vídeos 3D em cirurgias oculares. Mentor do Centro Cirúrgico de Coimbra, António Travassos é coordenador da mostra “Visões – o interior do olho humano”, patente na Biblioteca Municipal.
O conceituado oftalmologista agradeceu o convite e frisou a honra de regressar a Santa Comba Dão, onde iniciou a sua carreira como médico, em 1978, no antigo hospital.
Com a sala escura por uns breves momentos, António Travassos proporcionou à plateia a experiência direta da privação do sentido da visão e a prova prática e concreta da suprema importância da luz em todo este processo. Neste quadro, precisou os códigos de funcionamento da visão e os compromissos necessários entre a luz, sinais e cérebro, falando ainda acerca da visão tridimensional, de erros refrativos, das ilusões de ótica e de algumas patologias frequentes. Ao público presente proporcionou, igualmente, o visionamento de vídeos de cirurgias reais, comentando as diferentes técnicas utilizadas.
Ao longo da iniciativa, António Travassos interagiu, em diversos momentos, com o público presente em grande número e composto, entre outros, por diversos colegas médicos e doentes que foram operados pelo cirurgião. O interesse da plateia foi sempre elevado e a iniciativa foi classificada como um excelente momento pela plateia, que agradeceu todo o conhecimento transmitido por este reputado especialista.
Com competências na área da “retina e vítreo”, António Travassos considera que a luta contra a cegueira curável lhe provoca a inquietação necessária à reinvenção da cirurgia. “O melhor diagnóstico consiste em ver o que todos viram e pensar o que ninguém ainda tinha pensado”, destacou.
Pertencente ao Conselho de Curadores da Fundação Champalimaud, António Travassos tem fama de resolver problemas graves, aparentemente sem solução, através de cirurgias simples.
O médico revela que o seu desejo e vontade sempre foi “fazer o melhor por todos os doentes”, destacando ter, como médico, essa responsabilidade. “Esta é a única forma de trabalho que conheço. Esta sempre foi a minha revolta de vida e o que me levou a sonhar, a criar e a construir o projeto Centro Cirúrgico, em Coimbra”, disse.
No seu testemunho ficaram declarações de compromisso com a sua missão de médico e cientista: “Foi este o destino que eu quis e por isso sou livre. Por isso sou médico. Por isso insisto em ver diferente. O ato médico deve ser científico, não pode estar baseado em palpites. O diagnóstico deve ser rigoroso e os danos colaterais não podem justificar o fim do caminho. O médico deve usar todos os instrumentos que a ciência lhe proporciona no “agora” e tem de fazer sempre o melhor pelo doente, que não é seu. A segurança e a verdade não podem ser substituídas ou negligenciadas. São irrefutáveis e fazem parte deste combate que é meu e de todos os que me rodeiam. É este o meu empenho pessoal.”
Coordenador da exposição “Visões – o interior do olho humano”, António Travassos refere que as fotos patentes na Biblioteca Municipal foram escolhidas de entre milhões de imagens do interior do olho humano, absolutamente reais e sem qualquer tipo de tratamento. De elevada qualidade artística, estas fotos são consideradas as melhores do mundo.
O Município deseja o maior sucesso no desenvolvimento do vosso trabalho e agradece ao Dr. António Travassos e sua equipa.